A orientação sexual é o desejo e a atração, física e/ou emocional, que um indivíduo sente por uma outra pessoa de determinado gênero.

As orientações sexuais podem ser dividas em:

  • Heterossexual: pessoas que sentem atração pelo gênero oposto ao seu;
  • Homossexual: atração por pessoas do mesmo gênero;
  • Bissexual: indivíduos que sentem atração por pessoas de ambos os gêneros;
  • Assexual: pessoas que sentem pouca ou nenhuma atração sexual. Denominam-se como Heteroafetivos ou Homoafetivos;
  • Pansexual: pessoas que sentem atração por todos os gêneros, considerando a existência de mais de 2 gêneros.

 

Como a terapia sexual pode ajudar nesse contexto:

Não há nada de errado com as diferentes orientações sexuais citadas acima. Porém, vivemos em um sociedade heteronormativa, na qual orientações sexuais diferentes da heterossexual são marginalizadas e ignoradas, o que acarreta, muitas vezes, um intenso sofrimento para pessoas que tem uma orientação sexual diferente. Além disso, a orientação sexual ainda é vista de uma maneira polarizada, em que o indivíduo tem que se encaixar em uma ou em outra, desconsiderando a complexidade do ser humano.

Nesses casos, a terapia sexual pode ajudar as pessoas a lidarem com as dificuldades advindas de um ambiente nem sempre tão acolhedor, desenvolvendo habilidades de enfretamento, fortalecendo a auto-estima e ampliando o autoconhecimento relacionados à própria sexualidade.